A Coluna Musical mais TURBO de todos os universos (Um oferecimento de Minas Fogões) – #04

Eu sempre fiz música, tive bandas tal e coisa; mas não me considero um músico propriamente dito. Sempre me vi mais virado pro humor. Porque assim que eu aprendi a tocar violão e guitarra muito desleixadamente, eu quis realmente entender música. Não a teoria. Eu queria entender ~o que é música~. E assim me vi querendo entender o que é humor. E assim me tornei um rapaz simpático, agradável, mas que no entanto perco meu tempo com bobagens.

Eu ouço humor como música. Não sei se é algo inato, ou se treinei sem perceber.

Tipo… pra mim funciona assim: da mesma forma que tem quem ouça rap valorizando mais a lógica das letras; daí tem uns que preferem mais pela construção do beat, outros mais pelo uso de tônicas vocais, carisma, produção ou um combinado disso tudo; Há quem consuma humor percebendo da mesma forma. E acho que sou desses. Eu rio fácil porque além do que uma pessoa diz, pra mim também conta o som de como ela diz. A cadência. As tônicas, A percussividade. A física. Então gosto de ter lugares e momentos adequados para apreciar tanto música quanto humor; ambas formas de arte feitas para se apreciar por nuances, detalhes, momentum.

Houve um tempo em que eu até ~meio que~ gostava de ir em shows. Eu toco ao vivo muito esporadicamente desde os 16 anos, então nunca vi muita onda em sair pra ver uma banda ao vivo. Só se o rolê como um todo fosse foda – como já me aconteceu n’algumas ocasiões.

De forma geral, música eu gosto de consumir em casa e fazer ao vivo. Porque aí eu não preciso me incomodar em tentar expressar verbalmente pra outra pessoa o que tou sentindo. É subjetivo pra caralho e muitas vezes o bom é só curtir o barulho em silêncio mesmo.

Humor, conforme fui sacando, gosto mais de consumir ao vivo e fazer em casa. Tem tanta gente que me faz rir pra caralho; e é porque as ouço como ouvia bandas novas na adolescência – totalmente no momento, de mente aberta, tranquilaço. Disposto a bangear pro som do comediante cujas piadas tem o groove dum “Ceremony Of Opposites” do Samael e depois dançar com os dedinhos pra cima ouvindo um brother mandar umas tiradas muito “Speakerboxx” do Outkast.

Imagino que eu consiga fazer essa distinção sensorial porque cresci com a noção de que humor e música são parentes por parte de Arte. Ou seja; a esta altura do texto você já perdeu bastante tempo pensando e agora sabe como me sinto.

OK; Hora de escrever piadas enquanto ouço minha playlist “Rock Pauleira” no shuffle.

  1. Eu gosto pra caralho de Slipknot. Isso significa que nos anos 70 eu seria fã do Kiss; no sentido de que eu me masturbaria olhando fotos de girassóis ouvindo Kiss em vez de Slipknot. (Ouvindo“The Heretic Anthem” do Slipknot)
  2. Meus amigos me zoaram quando chorei porque o Nine Inch Nails tocou “Hurt” no Claro Q É Rock. Eles não me zoaram meses antes, quando chorei porque meu pai morreu. Sou eternamente grato pela empatia. Mas que foi hipocrisia deles, foi. (Ouvindo “Gave Up” do Nine Inch Nails)
  3. Me lembro bem de quando vi o clipe de “Schism” do Tool. Mas só porque logo depois passei 12 anos em coma. (Ouvindo “Schrism” do Tool)
  4. A última vez que esperei 03 anos pelo lançamento de um disco foi entre o “Viva Emptiness” e o “Great Cold Distance” do Katatonia. Eu teria curtido mais se não fossem as garrafas de mijo que acumulei no quarto durante a depressão. (Ouvindo “Leaders” do Katatonia)
  5. Spineshank já foi indicado ao Grammy. Lê de novo. O Spineshank já foi indicado ao Grammy. Só queria dizer isso. (Ouvindo o cover horrível que o Spineshank fez pra “While My Guitar Gently Weeps” do Jorge Harrison)
  6. Lembro que quando ouvi pela primeira vez aquela “Replica” do Fear Factory; eu jurava não ser permitido usar dois bumbos numa bateria só. Fiquei abismado com a proposta, neguei, bati cabeça e depois curti. É por isso que chamo sexo anal de “transar com dois bumbos”. (Ouvindo “Pisschrist” do Fear Factory)

Pronto. Então tchau e tal.

E lembre-se: quando estragar o fogão, a panela de pressão, não fique desesperado/a. Existe uma loja especial para o/a dono/a de casa. Minas Fogões conserta e tem as peças que você precisa.